segunda-feira, julho 21, 2008

Velha Vinifera #3 - Notas de Estudo

O tema da noite foi Argentina, com a Wine Company apresentando os vinhos da Escorihuela Gascon.

VELHA VINÍFERA
Degustação #3 – 28/06/2008
Escorihuela Gascón


CEPAS

Continuando nosso estudo das uvas temos vinhos de três castas novas: malbec, syrah e sangiovese. A oportunidade é muito interessante porque provamos os vinhos da Escorihuela Gascón. Poderemos sentir bem didaticamente a diferença das uvas que provamos.

Malbec
Uma das uvas permitidas em Bordeux, mas não muito utilizada. Na Argentina, adaptou-se muito bem, o que fez dela a uva símbolo da viticultura local, especialmente em Mendonza. Ressurge na frança com os Malbecs de Cahors. Apresenta aromas a frutas secas e especiarias. Tem tâninos e antocianos fortes, mas ainda assim com doçura na boca, pois costuma ter elevado índice de açúcar e álcool. Pode resultar em vinhos de guarda. Harmonização: carne vermelha, churrasco e queijos fortes.

Syrah
Cepa clássica francesa, plantada nas margens do Rhône. Entra no corte do Châteauneuf-du-Pape e é usada como monovarietal nos Hermitage. Ganhou o Novo Mundo e aparece com excelente resultado em vinhos da Austrália, da África do Sul, do Chile e da Argentina. De cor profunda e corpo concentrado, apresenta aromas intensos de frutas, picantes e defumados (quando tratada em barrica de carvalho). Harmoniza com carne vermelha e aves. Pode ir também com queijos amarelos, fondue e souflê. É clássica a combinação com crepe.

Sangiovese
Cultivada por toda a região central da Itália, seu ponto alto é na Toscana onde é a base dos Chianti e do Brunello di Montalcino. Algumas vezes entra no corte dos Supertoscanos junto de uvas não italianas.
Na Argentina, há controversias na literatura se a variedade produzida é mesmo a sangiovese toscana. Alguns autores acreditam que possa ser outra uva da toscana devido a muitas diferenças que encontram entre vinhos produzidos em Lujan de Cuyo e na Toscana.
A versão italiana apresenta agradável acidez, corpo médio e taninos leves. Como é um vinho leve e saboroso é muito bom em harmonização e vai bem com pratos leves, como sanduiches. Clássico com macarrão à bolonhesa, espaguete ao sugo e ravioli. Não vai com peixes, mas acompanha camarão ao alho e óleo.

ARGENTINA
A Argentina tem tradição vinícola bem maior que a brasileira. É o quinto maior produtor e quinto maior consumidor de vinhos no mundo. O consumo per capita vem diminuindo, mas o consumo e a produção de vinhos de qualidade aumenta.
O terreno em torno dos Andes é árido e depende dos sistemas de irrigação para produção das parreiras.
A principal região produtora é Mendonza, onde se destaca a uva Malbec. Ao Norte, em Salta, a Syrah divide as atenções com a Malbec e ao sul, na Patagônia, os viticultores apostam também na Sauvignon Blanc e na Pinot Noir. Não se pode esquecer dos adocidados Tempranillo, vinhos agradáveis feitos com esta casta espanhola.

Referências:
Bibliográficas:
Larousse do Vinho.
Santos. José Ivan. Vinhos o Essencial.
Rede:
http://www.vinosdeargentina.com/ – Vinos de Argentina
http://www.academiadovinho.com.br/ – Informações muito interesantes em português

2 comentários:

Joseane Tulio disse...

Bom Dia
Parabéns pelo aula, gostaria de ler acerca dos vinhos ITALIANOS
receber informações - ler em teu blog uma pesquisa semelhante [ com mapinha - links de site e tudo o mais] Adoro a Itália mas sou neófica neste mundo precioso dos vinhos
Abraços pra ti

QIC disse...

Hummm... tudo de bom, amor...
Experiência fantástica, bons vinhos, bons papos, boas pessoas...
Valeu a pena o encontro e a explanação!
O post ficou bem claro e didático, adorei!
Amo você!!!